NOTÍCIAS

11/07/2019
Brasil atinge recordes no milho, mas tem muitas incógnitas neste semestre
Potencial de exportações é grande, mas há muitos concorrentes neste ano, segundo analistas

milho vive tempos de recordes no Brasil. A produção, pela primeira vez, deverá superar os 100 milhões de toneladas. O consumo interno, também recorde, deverá subir para 62 milhões de toneladas, enquanto as exportações podem chegar a um patamar nunca registrado antes: 38 milhões de toneladas.

Os números são de André Pessôa, da Agrocconsult, que destaca ainda a possibilidade de a produtividade média da safrinha superar as cem sacas por hectare.

safra recorde é um consenso entre os analistas do setor, mas eles divergem muito em relação às exportações. Pessôa diz que, com um dólar em alta no segundo semestre e queda de produção nos Estados Unidos, o volume a ser exportado pelo Brasil deverá realmente ser elevado.

Milho na carroceria de caminhão em lavoura no norte do Paraná.
Milho na carroceria de caminhão em lavoura no Paraná. - Mauro Zafalon/Follhapress

Leonardo Sologuren, da Horizon Company, e Daniele Siqueira, da AgRural, por ora, apostam em volumes menores: de 32 milhões a 34 milhões de toneladas.

Sologuren diz que consumo e exportações de milho vão depender do ritmo da economia interna, ainda incerto. Ele prevê, porém, um período de alta nos preços neste segundo semestre, sustentados pelas exportações.

Para Siqueira, “o cenário é bom para as exportações, mas são muitas as variáveis que vão determinar o volume de vendas externas”.

Um dos principias fatores é o tamanho da safra dos Estados Unidos. Afinal, não se sabe nem a área que foi plantada por lá, diz ela. Outro ponto chave será a resistência do produtor brasileiro às vendas do cereal.

Se ele guardar o produto sempre à espera de preços maiores, o importador vai procurar outros mercados, como os da Argentina e da Ucrânia.

Os argentinos tiveram uma safra histórica, próxima de 50 milhões de toneladas, e a competitividade do produto deles é melhor do que a do brasileiro, afirma Siqueira.

A Ucrânia, que abasteceu boa parte do mercado externo nos meses de novembro do ano passado a abril deste, poderá ter nova safra elevada e voltar ao mercado internacional.

“Um dos exercícios mais difíceis do momento é estimar a exportação do cereal”, diz ela.


fonte: folha de sp

Nenhum comentário até o momento...


Sindirural - Rua Cuiabá, 217 - Jd. Maria Luizz - Cascavel/PR - Fone (45) 3037-7829